O RIO DA MINHA CIDADE

 

Eu não sei o que dizem

todos  os rios

(ou quase todos),

Mas sei tudo que o
rio da minha cidade diz:
ele fala a mesma língua das
árvores do cerrado
desta terra amorenada
pelo sol escaldante.
O rio Preto me fala
e eu entendo as histórias
que não posso repetir.
Tantos segredos meus
o meu rio levou…
E o que ele me pediu
vou cumprindo devagar,
Passo a passo,
nesta terra, neste chão.

Assim, ouço a voz
do Rio Preto
como se antes de dizer
já me houvesse dito:
sonhos sempre me
uniram aos sussurros desta
doce torrente de
timbre calmo na seca e
voz de cheia com suores
turbulento nas águas, sem
perder o tom,
sem perder a voz
noturna dos clamores
do velho e amoroso rio
da minha infância.

Alda Alves Barbosa

2 pensamentos sobre “O RIO DA MINHA CIDADE

  1. Oi Alda, Tanta lembraça, tanta história, tanta sandades de um rio que encanta uma cidade.
    Grande abraço.
    Orlando – DF

    • Oi Orlando, você não imagina como escrevi este poema: Como você mesmo disse, tanta história, tanta lembrança, tanta saudade…
      Mas esqueceu de dizer, quanta seiva, quanta vida… Quanto amor!
      Leu o texto que meu pai escreveu? Enquanto postava me lembrei de você, do seu primeiro comentário em nosso site, lembra-se?
      Chorei muito, emocionei demais ao lê-lo!
      Com carinho,

Sua opinião é importante para nós. Participe com um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s