AMAR DÁ TRABALHO


O amor dá trabalho. Cansa, coage. Conheço pessoas que o casamento se transformou em sofrimento e não se separam. E fico a perguntar: “Por que continuam se não estão felizes?” “Não sei” é a resposta que sempre dão a esta pergunta.
O “não sei” faz com que cada um deles suporte décadas num dia-a-dia do qual não se sentem integrados. Reclamam do marido, ou da esposa com a indiferença fúnebre e logo retornam ao “lar” para finalizar o tédio. São cansados mais que casados. Não querem dizer nada que altere o sono e os prazeres únicos. Aguardam pacientemente uma paixão que diminua a culpa da evasão.
A inação conserva a infelicidade. Muitos não se separam porque preferem não enfrentar as incômodas consequências do “amor que foi embora, acabou.” Terão que deixar o “lar”, procurar uma casa, brigar, enfrentar os dissabores dos fiascos, ficar longe dos filhos, defender-se das acusações daquele ou daquela que um dia jurou amor eterno, livrar-se da culpa pelos transtornos por não amar mais, enfrentar juízes para concretizar a separação. Os amigos? Durante meses terão que enfrentar as acusações. Durante um bom tempo será taxado (a) como canalhas, crápulas, infiéis, mentirosos… Como se tivesse escrito no peito, em letras garrafais “traidor (a).”
Tenho uma grande admiração por aqueles que casaram três, quatro, cinco vezes. Não tiveram preguiça, não acomodaram no desamor. Tiveram a coragem de perseguir a felicidade, mesmo que não a tenha encontrado, mas saíram do conformismo e tiveram forças para transformar o que seria memória em palavras.
O casamento não existe para ser motivo de infelicidade. Ele existe para a benção, não para a maldição. A vida não é fácil. Conhecer na intimidade difere totalmente do conhecer no namoro. Conviver é difícil. Mesmo a empatia, ter pontos em comum, a liga que faz a união. Coisa rara. Que cada relação complete a outra. Enganar a si mesmo (a) não torna nada depois disso uma verdade.

Alda Alves Barbosa

6 pensamentos sobre “AMAR DÁ TRABALHO

  1. Alda concordo com você,casamento deveria ser uma instituição que trouxesse felicidades,não sou contra pessoas que descasam e casam de novo,também sou divorciada e confesso levei anos pra entender que eu e minhas filhas estaríamos melhor sozinhas,sofri anos enquanto podia ter evitado isso,não fosse princípios retrógrados que são impostos por nossos pais e as vezes pela própria sociedade que está a nossa volta,sofremos as vezes para dar satisfação aos outros e é por isso que hoje existem tantas pessoas depressivas…Um basta a infelicidade,antes mesmo de gostar de alguém,devemos gostar da gente mesmo..Gostei de suas palavras e não considero casamento instituição falida e sim que precisa ser repensada quando entrar e que se não der certo,todos tem uma segunda chance nessa vida..Beijos Edna

    • Olá Edna
      Acredito que se não sabemos nos amar, se achamos que não merecemos o amor que devemos sentir por nós mesmas, não há como o outro nos amar, nos respeitar. Quando a pessoa que dedicamos a ela o nosso carinho, que decidimos constituir uma família juntos, percebe que não possuimos este querer bem por nós mesmas, passamos, sem perceber, a ser o outro também ou a extensão dele. Nos perdemos de nós. E como nos acharmos no outro se não existimos mais? Este é o cuidado que devemos ter numa relação: não nos perdemos no outro. Preservar a nossa individualidade , acredito eu, é o passo certo para que o outro nos respeite e a forma correta de marcar seu espaço no mundo como pessoa que carrega a dignidade dentro de si.
      Sintetizando, casamento é para viver a dois , e se não acontece isto, um dos dois morreu na relação.
      Obrigada pela sua visita, seu comentário, isto nos faz querer tornar o nosso site cada vez melhor.
      Com carinho,

    • Olá Orlando,
      Não conhecia esta frase, mas ela diz tudo…São dois sentimentos: a falta e a paz que esta falta nos dá. Dúbio, mas concordo plenamente…!Obrigada Orlando pela sua presença tão bonita entre nós e sempre nos presenteando com seus comentários.
      Com carinho,

  2. Alda depois que li o livro do padre Jesús Hortal, (casamentos que nunca deveriam ter existido) olha confesso a você passei a entender mais sobre a vida a dois. Ele explica no linguajar bem simples como qualquer pessoa tendo 1 mês , 1 ano, 5, 1o , 15 , 20, 30 ou mais de casamento pode ser nulo e pela igreja e você está livre pra casar de novo e tudo baseado no novo códgo de direito canônico. Acho que todos deveriam ler principalmente os católicos.

  3. Olá Gilvar,
    Ler, pensar, questionar… Se já tentaram, não deu certo, as chances estão aí para o recomeço de uma nova vida. Podemos encontrar a paz sem necessidade de envolvimentos amorosos, fazemos substituições, mas, se a paz existe apenas com um companheiro, a vida está aí, as estradas existem para caminharmos em direção aos nossos sonhos. Pra quê optar pela infelicidade por medo do recomeço. Fácil? Não, não é. Mas não há como fugir da realidade.
    Obrigada Gilvar pela sua presença tão constante , dando opiniões e nos ajudando a levar em frente, este, que considero um sonho que se tornou possível realizar: falar de tudo com ética, com poesia, e principalmente com liberdade.
    Com carinho,

Sua opinião é importante para nós. Participe com um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s