Flores dormidas

Ó flores dormidas,
Das cores sonolentas
E dos amanheceres perfumados,
Acorda-me nas manhãs
Festivas deste chão onde
Estão fincadas as raízes nuas
Claras como a luz da lua.

Ó flores dormidas,
Me desperta quando a
Aurora despontar, quando
Os anjos recolherem nas nuvens
Algodoadas. Me desperta quando
Soar a primeira nota da sinfonia
Dos pássaros aplaudindo o dia
Que nasce monotonamente

Acorda-me ó flores dormidas,
“Tenho o tédio de quem não
Sabe amanhecer!”

Alda Alves Barbosa

Sua opinião é importante para nós. Participe com um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s