GÊNERO

Há dias estou remoendo a minha vida.
Vou lá na poeira vermelha,
nos redemoinhos do
passado e mergulho meus
pés no pó frouxo de cada
rua, de cada beco.

Há dias estou sem verso
para fazer calar a ânsia incontida
de me lançar nas asas da poesia e
traduzir com palavras leves,
ritmadas, a nostalgia que assola o
chão ressequido do meu coração.

Nenhuma palavra enverdece.
Nenhuma palavra floresce.
Todas estão aprisionadas nesse
casulo chamado mulher!

Alda Alves Barbosa

Sua opinião é importante para nós. Participe com um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s