Retalhos de Minas…

BIRIBIRI – A VILA DE SEIS PESSOAS

imagem:www.estamparia.ind.br

Doze quilômetros separam o centro da cidade de Diamantina da remota vila de Biribiri, passando por estradas de terra e com muita história para ser contada. E o potencial natural da região fez com que a vila se desenvolvesse no final do século XIX, com a construção da fábrica Estamparia S.A.. Hoje, Biribiri continua com suas belas paisagens, muitas cachoeiras, e apenas seis pessoas que vivem por lá.
Muito bem cuidada e restaurada, a cidade chegou a ter três famílias na administração do local. Hoje, Kika Mascarenhas é a responsável por manter Biribiri em ordem. O local foi utilizado para a gravação do filme “A Hora é a Vez”, de Augusto Matraga. Toda a história da região se concentra na fábrica têxtil, do garimpo e também na natureza. O bispo Dom João Antonio Felício dos Santos foi o responsável pelos primeiros passos: a construção da estamparia próxima às quedas d’água para a geração de energia. “No início, eram cerca de 140 mulheres trabalhando, e chegou a 1500. Foi uma época que as religiosas começaram a trabalhar e também muitas moças dos arredores de Diamantina”, explicou Kika.
Crescimento – Junto com a construção da estamparia, casas, pensionatos, armazéns foram erguidos. Uma das mais importantes construções foi a igreja, financiada pelas próprias trabalhadoras da cidade. O sino, em bronze, foi fundido na fábrica e o relógio doado pela família real.
Muitos técnicos especialistas dos maquinários começaram a chegar à cidade, predominantemente de mulheres e o crescimento foi notável. Foram construídas mais casas para abrigar as famílias que se formavam. “Nessa época, os homens começaram a chegar à cidade e a vida social começou a se desenvolver com aulas de teatro, canto”, disse Mascarenhas.
Com o tempo, a produção cresceu e em 1876 a fábrica estava funcionando com máquinas vindas do exterior e quase cem anos depois, em 1973, as dificuldades de acesso fizeram a Estamparia S.A. fecharem as portas.

Natureza e esportes

Assim que a fábrica foi desinstalada, iniciou o processo de saída das famílias da região. Biribiri teve como seu “primeiro dono”, o Bispo Dom João Felício e o desenvolvimento da indústria fizeram duas famílias tomarem conta da cidade. A atual administração é da família de Kika, a terceira mandante.
Os cuidados com a vila, pela qual passam de 150 a 200 pessoas durante feriados e férias em busca de aventuras é bastante grande. Com as gravações do filme, Kika teve que repintar a cidade nas cores branca e azul. “Também estamos instalando toda a rede elétrica subterrânea, para colocar lampiões de época”, afirmou.
Mesmo com seis pessoas que moram efetivamente na vila, a receptividade dos visitantes está garantida: um pequeno restaurante serve todo o tipo de comida mineira para os aventureiros encararem as belezas naturais durante todo o dia. As casas antigas hoje funcionam como pousadas, com valores fechados para finais de semana e feriados.
Natureza – Kika indica Biribiri para os interessados em descanso e também em esporte de aventura. Trekking, cachoeirismo, mountain bike e rapel são os esportes mais procurados na região, que possui dois pontos turísticos: as cachoeiras Sentinela e Cristais; além da mata fechada ainda virgem e pinturas rupestres, encontradas na região.

GALERIA:

Imagem: viajamos.com.br

Sua opinião é importante para nós. Participe com um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s