Jardins

Minha mãe plantava
jardins com flores tímidas
Sem tapetes verdes
para a lua se deitar.

Entre flores inocentes
o chão abrigava a noite clara,
dentro de mim eu agasalhava
a escuridão das memórias
escritas na carne.

Hoje sou eu e o crepúsculo.
Hoje sou eu  e a vaguidão dos
jardins sepultos.
Hoje colho as ausências e
tenho fome de flores!

Alda Alves Barbosa

Sua opinião é importante para nós. Participe com um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s