Outono

É outono agora, amor.
As esculturas do cerrado
despem suas vestes
explosão de nudez.
 
O cerrado se cala.
O pouco vento passa
sem deixar seu canto.
 
Não há folhas para a dança
asas foram cortadas para
que o silêncio aconteça.
 
Detritos de folhas no chão
tapete marrom onde me deito
para aguardar a primavera
que trará você!
 
Alda Alves Barbosa
 

Sua opinião é importante para nós. Participe com um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s