ATÉ TU, OAB?

arvore_oab

Não concebo a ideia de escolher estradas sem olhar para as minhas caminhadas dos ontens. Elas me dão suporte para avaliar minhas escolhas. E por pensar assim, percorro meu passado criança, abraço as esculturas do meu cerrado e aspiro seu cheiro verdejante. Tempos bons aqueles! Jabuticabeiras, pequizeiros, cagaiteiras, enfim, todas as eiras. Hoje, sem eira nem beira, oscilo entre o viver e o morrer… Quero viver, mas não sei se a soja contém todos os nutrientes que o meu corpo necessita.

Sei não. Minh’alma anda aos suspiros, perigando o choro, pelos sumiços do cerrado desse meu sertão… Hoje a árvore existe, amanhã a danada inexiste. Parece mesmo coisa de assombração: cá na minha cabeça, fico matutando – ” Será que espantaram o cerrado? “

Pra piorar a situação, meu coração fica remoendo. Se pelo menos nossa Unaí tivesse umas sete arvorezinhas em cada rua!… tem não. Se tiver, quer apostar que qualquer dia desses elas tomam chá de sumiço? Parece mesmo coisa do tinhoso! Trem esquisito, árvore sumir num piscar de olhos!

Quer ver árvore desaparecer, é quando resolvem construir um é-difício ( não é-fácio ). A árvore vai pro pau e ainda deixam seu tronco pintado de branco como um troféu a ser comemorado.

Mas o que me causou mesmo estranheza foi o jeito que encontraram pra matar a pobre da árvore que estava ( e ainda está ) atrapalhando a ” beleza ” da Sede da OAB em Unaí. Pena de morte não concedida, eis que ela me aparece desgalhada, numa nudez vergonhosa. Se fosse só pelos arrepios do terrível frio unaiense, vá lá, pior mesmo foi a feiura que deixaram ela. Se dependesse de mim, todos seriam processados por danos morais, afinal,quem desnuda uma árvore a paga é o castigo.

UTI. Último recurso. E consciente de que faltam médicos, arquitetos, jardineiros, paisagistas… fico eu de olho nela, tenho receios de que no prontuário, a letra do médico esteja pouco legível e a enfermeira ” por engano “, aplique café com leite nas veias da então sofrida paciente e ela venha a fenecer.

Por esta situação ser corriqueira, eu não deveria me assustar nem me indignar, afinal, a repetição torna o incomum em comum. Fico me perguntando, como será daqui um tempo o nosso chão, caso a linha de raciocínio do seu povo não mude. Nossa população – com raríssimas exceções – tem uma visão catastrófica com relação a um clima ameno, flores, sombra e beleza. Árvores sujam o chão. Bonito mesmo são as calçadas caras e escorregadias. Bom mesmo é chegar o verão e o “calor dos infernos” acordar.

arvoreschoram

Alda Alves Barbosa

Sua opinião é importante para nós. Participe com um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s