De como filosofar é aprender a morrer

paralelepípedos

” … ninguém morre antes da hora. O tempo que perdeis não vos pertence mais do o que precedeu vosso nascimento, e não vos interessa:  ‘ Considerai em verdade que os séculos inumeráveis, já passados, são para vós como se não tivessem sido ‘*. Qualquer que seja a duração de vossa vida, ela é completa. Sua utilidade não reside na duração e sim no emprego que lhe dais. Há quem viveu muito e não viveu. Meditais sobre isso enquanto podeis fazer, pois depende de vós, e não do número de anos, terdes vivido bastante. Imagináveis então nunca chegardes ao ponto para o qual vos dirigíeis? Haverá caminho que não tenha fim? ” ( Montaigne )

Ensaios de Montaigne, capítulo 20, intitulado ” De como filosofar é aprender a morrer”.

*Lucrécio

Sua opinião é importante para nós. Participe com um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s