Na flor da solidão

     Depois de perambular, depois de andar por vagas estradas, acompanhada de pequenas esperanças, de sonhos derramando compaixão, tenho orgulho da tenacidade que insiste em morar no meu olhar… Estéreis resistências detidas entre sombras que crescem e asas trêmulas, me sinto existir nos altares de pranto e nos crepúsculos sem perfume.

     No meu quarto, a lua abandonada, opaca, sem voz, eu, dona do amor, debruço sobre tapetes pálidos, naufrago no vazio, com arredores de pranto.

     Cresce a sombra na paz da chuva, na flor da solidão.

Alda Alves Barbosa

Sua opinião é importante para nós. Participe com um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s