Verborragia

caliandra flor

Neste pardo sertão ferido
Abriram sulcos amargos
Percorreram as curvas dos espigões
Arrasaram a terra
Que guardava o vale.

A terra fria desfaz o cansaço,
Abre a serra com mãos desesperadas,
Cavalgando montados nas nuvens
Para tirar do céu a paz.

Estas minhas palavras
São de uma época morta…
Eu sou testemunha desse falecimento
E revivo os ontens voando pelo cerrado
Buscando com a alma na brisa,
O canto do Rio Preto…

Para onde vais agora, meu chão?
Porque não deixam crescer, andar, prosperar?
Meu olhar mira a caliandra cor de sangue
Ininteligível verborragia… parlapatório…

Alda Alves Barbosa

Sua opinião é importante para nós. Participe com um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s