Sonoridade

Sonoridade

Quisera eu
o reluzir do teu olhar
num canto gregoriano;
lágrimas, choro da flauta,
a sensibilidade na vibração
da clarineta, nestes versos
não rimados.

Quisera eu
musicar harmonicamente
a sonoridade do amor
eliminar notas de angústias.

O rumor da minha sensibilidade
tange serenamente nas gotas de
chuvas a molhar o chão, gestando
fios d’água para derramar em
meus olhos.

Costuro com fios de seda o prelúdio
de cada sentimento,único laço com
minha desarmonia.

Alda Alves Barbosa

Sua opinião é importante para nós. Participe com um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s