Caminhos do cerrado

Caminhos do cerrado

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nos caminhos do
cerrado andei…
Jabuticabeiras me
cobriam com suas
vestes verdes.
Provei seus frutos…
Em minha boca
escorria o néctar do
deus negro.
Nos caminhos do
cerrado andei…
Conheci o sorriso
das flores tímidas,
pobres e belas
Vaguei
entre suas esculturas
ouvi o canto dos
pássaros, sinfonia
para espantar solidões
Vaguei
entre formigueiros
calangos
carrapatos
esperança
cigarras…
Hoje vagueio
entre monturos
de lembranças.

Alda Alves Barbosa

Sua opinião é importante para nós. Participe com um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s