Sinos

Sino-de-Igreja

                                                                            Sinos dos ontens,
badalos das tempestades
badalos de paz.
Sinos dos ontens
Dos arrozais
verdejando a margem de lá
do Rio Preto.
Sinos que badalam o nascer,
o morrer…
Choremos sinos,
dancemos sinos,
cantemos sinos,
a vida, a morte
e a saudade de tudo,
de todos,
dos sinos badalarem
para o encontro marcado
na casa de Deus.
Na hora do Ângelus, hora agônica…
Nas horas… nas horas que
marcam as horas
de cada mortal!

                                                                                                                                                    Alda Alves Barbosa

Sua opinião é importante para nós. Participe com um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s