Falta de concretude

cronicas-da-dani
ampulheta
Não há certezas! É como mergulhar em águas límpidas e profundas de utopia, de esperança. E vive essa agonia. Sair daquelas águas representa vislumbrar aquilo que não é concreto é ver a estrada embaçada como miragem e rasas perspectivas. Mergulha então euforicamente para que encontre percursos de alguma maneira. Enquanto vive esse dilema a ampulheta escorre a areia fina e diferentemente dos jogos, não há um ser sequer que seja capaz de colocá-la de cabeça pra baixo ou mesmo evitar que as partículas escorram. Entre mergulhos, afogamentos, sair , retornar, não vê quem possa inferir na ampulheta ou tornar a estrada mais real… Como se toda essa loucura não fosse ela mesma: a realidade. Enquanto esperava tocar naquilo que seria concreto percebia pouco a pouco que esperas são inúteis. De tanto esperar se exauria e se transformava em nada. O nada de hoje! Estão nesse segundo, aprisionadas sensações e lembranças sem retornos. Vive de esperas e de amanhãs. Conforta na vida imaginada seus pensamentos e o hoje em nada conforta. Corria atras daqueles escassos minutos de encantamento onde a irrealidade se configurava tão real que seria capaz de desenhar cada linha do cotidiano alegre, leve, suspenso.
É vida, é inconsistência e incertezas!

Danielle Rezende

Sua opinião é importante para nós. Participe com um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s