Em busca da madrugada

ruidos da madrugada
Busco a madrugada
na tarde que cai
sonolenta. Faço
versos e teço um
testamento do dia
que se finda.

Busco a madrugada
delineando palavras
triste e úmidas, numa
busca incessante de vida.

Busco a madrugada numa
peregrinação doída nos
versos que desnudam a alma.

Busco a madrugada nos
reversos da vida, na tarde
que se desenha em mim.

Traço um ponto de interrogação
no qual deito meu corpo
cansado… desesperançado.

Alda Alves Barbosa

Sua opinião é importante para nós. Participe com um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s