Sem intervalos

mulher_na_chuva
Amo a vida sem intervalos… Viver sem pausas transpondo muros, abraçando a vida que vai se mostrando afoita, mas leve.

Não sou afeiçoada à janelas e portas. Janelas e portas reportam-me a ausência de liberdade. Olho uma porta, vejo cadeado; olho janelas, vejo cadeados. Como ser livre em meio há tantos obstáculos?

Nasci para a liberdade. Gosto de voar e conhecer meus mundos. Moro em tantos mundos… Sou tantos “eus!” Grades aprisionam – casas têm grades e muros… e eu sou tão livre!

Gosto de chuva, Mas gosto de senti-la na rua, molhando meu corpo, arrepiando minha pele, e eu girando em torno de mim mesma. numa dança ritmada, de braços abertos acolhendo a liberdade.

Amo a vida em continuidade! Posso partir, posso chegar. Posso nem partir nem chegar, apenas ficar. E ficar é fazer opção em conhecer apenas um mundo – é não percorrer outras estradas, não conhecer outros caminhos – é não arriscar o encontro com o desconhecido. Medo? Não sei. Mas sinto-me livre das submissões!

Alda Alves Barbosa

Sua opinião é importante para nós. Participe com um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s