Adeuses

cesto para cantinho poéticoQhYgiZ
Nos teus olhos
Meu cansado olhar
Encontra amor
Deus vagar.

Nos teus braços
Meu corpo desamado
É amado… embalado
Adeus solitude,
Braço sagrado.

Nos teus lábios
Minha sedenta boca, vazia
Bebe água doce
Adeus melancolia.

No teu corpo
Meu ser tão frio
Aquece a gosto
Adeus secura,
Adeus estio.

Ronair Gama

Cantinho Poético

rosaDSC06198

Os Periquitos

No leque verde dos coqueiros

Que ornam a margem dos caminhos,

Os periquitos galhofeiros

Zombam dos outros passarinhos.

Numa algazarra delirante,

Batendo as asas irisadas,

Cantam a terra e o céu distante,

Glorificando as alvoradas.

Porque se julguem muito ricos

Donos do espaço e das alturas,

Fogem dos pobres tico-ticos,

Trocando afetos e ternuras.

Unidos contra aos caçadores,

Andam ariscos e assustados:

Temem os ventos destruidores

E a poeira azul dos descampados.

São tão alegres, tão ruidosos,

Que a gente ao vê-los avalia

Que sejam todos venturosos,

Brincando ao sol de cada dia.

Não param nunca os mais tranqüilos.

Pulam, febris, de galho em galho.

Com que prazer, para segui-los,

Deixo de lado o meu trabalho!

Passam a vida saltitando

E é cada qual mais tagarela.

Onde vai um, lá vai o bando,

Cortando o azul na tarde bela.

Ordena um deles a partida

Em busca de outros horizontes.

Depois é a volta… E que corrida

Vertiginosa sobre os montes!

E quando, à noite, escuto os gritos

De mil insetos bandoleiros,

Dormem, sonhando, os periquitos

No leque aberto dos coqueiros.

Osório Hermogênio Dutra, Vassouras, Estado do Rio, (1889 -1968). Diplomata brasileiro e poeta.

cesto para cantinho poético

 

 

 

 

 

 

LÁPIDE

Quando eu morrer, não soltem meu Cavalo
nas pedras do meu Pasto incendiado:
fustiguem-lhe seu Dorso alardeado,
com a Espora de ouro, até matá-lo.

Um dos meus filhos deve cavalgá-lo
numa Sela de couro esverdeado,
que arraste pelo Chão pedroso e pardo
chapas de Cobre, sinos e badalos.

Assim, com o Raio e o cobre percutido,
tropel de cascos, sangue do Castanho,
talvez se finja o som de Ouro fundido

que, em vão – Sangue insensato e vagabundo —
tentei forjar, no meu Cantar estranho,
à tez da minha Fera e ao Sol do Mundo!

Ariano Suassuna

Geometria dos ventos

Eis que temos aqui a Poesia,
a grande Poesia.
Que não oferece signos
nem linguagem específica, não respeita
sequer os limites do idioma. Ela flui, como um rio.
como o sangue nas artérias,
tão espontânea que nem se sabe como foi escrita.
E ao mesmo tempo tão elaborada –
feito uma flor na sua perfeição minuciosa,
um cristal que se arranca da terra
já dentro da geometria impecável
da sua lapidação.
Onde se conta uma história,
onde se vive um delírio; onde a condição humana exacerba,
até à fronteira da loucura,
junto com Vincent e os seus girassóis de fogo,
à sombra de Eva Braun, envolta no mistério ao mesmo tempo
fácil e insolúvel da sua tragédia.
Sim, é o encontro com a Poesia.

(Poesia feita em homenagem ao poema Geometrida dos Ventos de Álvaro Pacheco)
Rachel de Queiroz

Oficina de Poesia – Sérgio Vaz

cantinho poético

“O que é poesia?” O menino me perguntou na escola.
“Poesia é a forma diferente de olhar as coisas.” Respondo, mas sem saber bem se essa é a resposta.
Peguei um copo com água e perguntei:
” O que tem em minhas mãos?”
“Água.” Todos responderam.
Perguntei de novo:
” O que tem nas minhas mãos?”
“Água.”
Perguntei mais uma vez, só que desta vez alguém lá no fundo, alguém disse:
“Mar.”
do outro lado alguém disse
“Chuva.”
“Enchente.”
“Lágrimas.”
“Vida.”
“Suor.”
“Refrigerante.”
“Suco.”
“Banho.”
etc.
etc.
etc.
Aí, eu perguntei:
“Pera lá, mas agora pouco não era só um copo de água?”
“Ha, ha, ha, ha, ha, ha…”
“Ha, ha, ha, ha, ha, ha, ha…”
E todos nós rimos como se a dor não existisse.
E a água da poesia quase afogou meus olhos.
O Coração já tinha transbordado há muito tempo.

Sérgio Vaz

Súplica

cesto

 

Agora que o silêncio é um mar sem ondas,
E que nele posso navegar sem rumo,
Não respondas
Às urgentes perguntas
Que te fiz.
Deixa-me ser feliz
Assim,
Já tão longe de ti como de mim.

Perde-se a vida a desejá-la tanto.
Só soubemos sofrer, enquanto
O nosso amor
Durou.
Mas o tempo passou,
Há calmaria…
Não perturbes a paz que me foi dada.
Ouvir de novo a tua voz seria
Matar a sede com água salgada.

Miguel Torga