Confissões

faz-capim-branco

 Quando aqui cheguei, Unaí ainda tateava na escuridão de seu nascimento. Tateávamos. Eu, expulsa do útero materno, ela liberta do julgo de Paracatu lutava para manter-se viva na pós-escravidão. E, esta luta à procura de caminhos e de claridade sempre foi o laço que nos uniu.

Costumo fechar os olhos para abrir minha memória e ver minha cidade tal qual era: o casario bonito de tia Mariana e dindinho Filadelfo, a beleza triste da residência dos Rangel, a igrejinha de Nossa Senhora da Conceição, o Bar Velho, o Bar Novo… poucas ruas, largas… Poeira vermelha para dar e vender, e quando as chuvas abundantes molhavam o cerrado, a poeira se transformava em lamaçal. Andar pelas ruas exigia equilíbrio. Pobres moças vaidosas! Cambaleavam em cima dos seus sapatos de saltos altos… Acrobacias necessárias.

Unaí era um verdor pela quantidade de árvores do cerrado ainda intacto e pelos quintais coloridos pelos pés de mangas, carambolas, jabuticabas, jatobás, goiabas, cajus, tamarindos, bananeiras, laranjeiras… flor da laranjeira, virgem flor!… Tudo isso desapareceu com os loteamentos para edificar novas moradias. Tudo acabou! Todos se foram!

Meu encanto maior era o tapete de folhas forrando o chão do cerrado, cheio de frutos, de flores tímidas, de pássaros, e de cobras. Pássaros destemidos. Faziam seus ninhos ao alcance de nossas mãos. Desconheciam a crueldade da meninice!

Menti. Meu encanto maior era o Rio Preto! Águas rasas, profundas… Águas escuras para clarear as roupas… um dedo de prosa com Ana e Otília… A vida, a morte… Todas se foram!

Naquele tempo a vida não variava. Tudo era igual, repetível! As janelas não existiam!

       Alda Alves Barbosa

Mural:

Lançamento do romance “Permita-se”, da jovem escritora unaiense Bárbara Couto

13820467_884457374991527_1259026914_n 02

No dia 21 de julho, quinta-feira, a Tecelagem de Unaí abriu seu espaço para outra arte: a literatura. E a Academia de Letras de Unaí e Região – ALUR estava lá cumprindo o seu objetivo maior que é o de incentivar o “nascimento” de novos escritores e novos poetas.

Num ambiente impregnado pela beleza das letras, Bárbara Couto mostra a nós unaienses seu primeiro livro. Numa narrativa envolvente sobre um tema atual, a violência contra a mulher, a autora de “Permita-se” não só denuncia essas violências – físicas e psicológicas – como também mostra caminhos, através da personagem, para sair das terríveis condições de dependências a que a mulher fica submetida. Caminhos estes longos e cheios de percalços, mas enfim o viver sobre a “égide da liberdade” com todas as responsabilidades que lhe são inerentes.

A Academia de Letras de Unaí e Região – ALUR compartilhou destes momentos significativos com o Cerimonial:

Mestre de cerimônias – Lucian Grillo;

Maestro Elias – No saxofone com a música “Carinhoso”;

Alda Alves Barbosa – Fala sobre o tema e a transformação deste tema num romance;

Ana Maria de M. Carvalho – Recitou a poesia de Cássia Janeiro –  “Mulheres”

Leninha Sousa – Leitura da orelha do livro “Permita-se” escrito por Ana Maria Moraes de Carvalho;

Leninha Sousa – Recitou uma poesia de sua autoria;

Bárbara Couto – Apresentação do  romance “Permita-se”;

Cleusa Oliveira –  Poesia – “Bárbara bela”;

Maestro Elias – Encerramento com a música “Poderosa” de autoria Ivan Lins;

Venda dos livros e autógrafos;

Chá acompanhado de deliciosos biscoitinhos.

A imprensa unaiense esteve presente através da TV Rio Preto, Mais TV e o Portal  Unaí.

Texto de Alda Alves Barbosa.

Fotografia –  Ilma Costa

Galeria:

 

Fomes… Sedes…

noite
Às vezes durmo na madrugada
E acordo após alguns instantes de sono
Levanto-me sonolenta
Sinto fomes… Sinto sedes…
Na geladeira sacio minha fome,
Sacio minha sede.
Na geladeira não há fatias
De sonhos, não há sucos de vida
Tenho fome… tenho sede…
Em mim um coração oco
Em mim um olhar enevoado…
A palavra vida fica retida na garganta.

Alda Alves Barbosa

Alheamento

Quando-estiveres-sozinho
Reside em mim uma inadequação entre o que me pertence e o que sou. Sinto que sou sem a necessidade de estar atrelada aos pertencimentos. Desnecessários são os laços? Viver com o absurdo do só, fenecer com a vacuidade do só!…

Nada parece real. O dia deixa meu coração agitado; fico alheia a mim, fico alheia ao mundo! Estranho mundo… A vida esvoaça, nada mora em mim, me desconcebo. À noite, – grandes horas – concebo-me, pertenço-me. Minha alma acende e torno-me eles, com laços e nós.

Na noite eu sou o que nasce de mim!

Alda Alves Barbosa

Porque te amo, Unaí

11168399_757694571001142_4698972934243929642_n

Boca da Ponte

Ó doce e quente Unaí, nenhum braço, nenhuma mão pode constranger-te porque tu és livre. Se nossos pés tocam teu solo é com a tua permissão; ninguém ousa afirmar que tomou posse de ti.

Sim, tu és livre para permitir que o sol escaldante derrame teus raios ardentes sobre ti; tu és livre para tecer asas e voar como os poetas… Não permita, ó doce Unaí, que nenhum de nós que deita sobre teus seios subtraia o respiro e te sufoque com falsos abraços; não consinta que mãos impuras te acariciem com gestos desordenados, tristes…

E tu me diz: – Já cortaram-me as sombras, já extinguiram os meus negros frutos, já extirparam os meus cachos cor de ouro…
E eu te digo: – Cortaram-te, extirparam-te, deixaram-te nua, mas te resta o solo calcário, o Rio Preto e tuas asas!

Voa, doce Unaí! Segure nas asas do sonho e costure versos para ti! Quem não te vê como poesia não conseguirá tocar-te!

Alda Alves Barbosa

Horas Mortas

noturno

Alguma coisa dentro de mim se quebrou. Nenhum brilho na noite… Meus gritos esgotaram, sobraram os ecos ensurdecedores explodindo em meu ser. Roubaram-me os sonhos. Dentro de mim há apenas um vácuo, um deserto, um rio sem movimento. Canções mortas para uma alma morta.
Tirei os olhos dos amanhãs!

Alda Alves Barbosa

Longe o luar… Longe os sonhos…

2132531 Olga Czerwińska
Longe o luar… Longe o rio… Longe os sonhos… Perto as ausências e uma mágoa de não sei o quê; talvez mágoa das desesperanças, do vazio preenchido por escombros vividos nos ontens longínquos ou nos sofridos ontens tão próximos!

Uma ária sonolenta ecoa do espigão. O passado mora ali. Os passados moram ali. Em sonhos estou ali a lavar lençóis de mágoas nas pedras dos corações.

Fios d’água atravessam as distâncias, chegam aos meus olhos e deságuam como rios vincando meu rosto já pálido como a lua. E sonho. Sonho de vida iludida, morada de escombros.

Preciso da ilusão para viver… morrendo!

Alda Alves Barbosa