Apesar de intenso…

aniversc3a1rio

E em silêncio eu amava… Amava intensamente muitas… tantas… muitas! Amava com prazo de validade. Meu amor poderia durar até o outro amanhã ou até a próxima hora… Nenhum amor ficou para presenciar o nascimento dos vincos em meu rosto; nenhum amor ficou para ver os rios de águas azuis desaguando em minhas mãos; nenhum amor ficou para me desamar.

Hoje procurei vidas pelos cantos de minha vida. Não ouvi nenhum choro,nenhum riso… O espelho, amarelecido por décadas de inércia refletia com dificuldades um rosto duro, um olhar raso, muitas ranhuras pelo corpo molemente descolorido, miserável… Ali residia um corpo sem vida, coberto de tempo!

Alda Alves Barbosa

Domingo…

gato3
Amanhecendo… o domingo vai preguiçosamente despertando! Um ruído aqui, outro ali… tudo insuportavelmente devagar…O domingo quer continuar domingo, quer dormir – Não deseja acordar porque a vida está dormindo… A vida de todos dorme! Mas ele precisa despertar. O planeta está girando… o pião gigante gira, gira, gira, gira e ele acompanha essa pressa sem pressa. Ele pertence ao mundo dos rodopios rápidos, das ânsias dos vômitos, dos cansaços, dos vazios…Com o voo do tempo os domingos passam … as pessoas acordam…e dormem… e acordam…para novamente dormirem.

Sem o sono, sem a preguiça, o domingo não é!

Desejos

561419_778300312273901_9157516835418620194_n
Fragmentar o tempo em meses para culminar em anos seria um retorno à esperança? Fazer planos, recomeçar, mudar os rumos ou simplesmente anular mentalmente o que não foi bom?

Uma pausa imaginária para reformular os sonhos! Sim, imaginária, mas necessária. Viver sem “pausas” cansa, entedia… É bom esperar o que está por vir.

Para você, amigo, parente amigo, desejo que faça uma pausa para olhar as estrelas, para ver a lua inteira, pela metade… desejo que faça uma pausa para sentir na pele o calor, o frio, os pequenos pingos d’água que caem dos céus.

Desejo que arrume um tempinho para debruçar seu olhar naquele que reside ao seu lado, naqueles que residem nas ruas tropeçando, caindo atropelados pelo caos interior.

Desejo que seu olhar pouse sobre a natureza, que ouça o canto das águas e o farfalhas das folhas das árvores, o canto dos pássaros…

Desejo que desenvolva o espírito de cidadania e cuide de sua cidade, lembrando sempre que somos nós os administradores de nossa terra ou da terra que escolhemos para morar.

“Que você viva, viva muito, uma vida bem vivida” e que deseje apenas o que não pode prescindir “ por exemplo, DEUS!
Feliz 2016
Com carinho e respeito
Alda

Porque hoje começa a primavera

12002740_741064732664126_1843658009351912520_n

Em quantas primaveras
ouvi teus passos na
poeira vermelha, no
lamaçal gelatinoso do
Capim Branco?

Em quantas primaveras
ouvi teus risos, teus lamentos
no eco das serranias, numa
cascata de ais?

Em quantas primaveras
vi desabrochar flores,
rosas brancas
rosas vermelhas,
as coloridas e tímidas onze horas,
as margaridas sacrossantas
pinceladas brancas
despertando o sol?

Quantas primaveras se foram…
Não ouço mais nenhum passo
nenhum riso, nenhum lamento…
O tempo varreu a renda do luar,
musical poesia na dança dos teus passos.

Laços desfeitos…
rasgos profundos na alma,
no olhar, as ruínas de um tempo,
e fico presa às primaveras onde
deitam as margaridas e as onze horas.

Alda Alves Barbosa

Entardecer

idoso3

O entardecer tirou do meu olhar o luzir do sol… Nas noites estelares minhas vistas não alcançam o brilho intenso das estrelas… As fomes de amor desvaneceram! Não sinto necessidades de abraços, mas sinto o frio penetrando em minha carne, em meus ossos frágeis.
Não há mais horizontes para transpor. O que eu sou era o que tinha de ser. Nada mais há para ser. Meus sonhos diluíram com o tempo… sonhos líquidos que escorreram entre meus dedos à procura de fios d’água para desaguar.
Meus jardins, nos ontens floridos, hoje são apenas pétalas estioladas forrando o chão.
O chão… a terra… o pó…

Alda Alves Barbosa

Rodopio louco

UT8ggWCXntaXXagOFbXa
Tenho ânsias de segurar o tempo
Não deixá-lo passar… Deixar passar
O tempo sem o viver é permitir que o
nada ocupe o lugar do que poderia ser!
Reter o tempo… Como se fosse possível
Parar este rodopio louco… roda… roda..
gira… gira… O tempo está passando…
Está indo…Está perto o chegar!

Ah, o tempo e suas chegadas!

Alda Alves Barbosa