Tardes

11350580_693327344104532_32829649019231694_n
Em mim reside uma tarde.
Fora de mim, outra tarde
incendeia o céu – Fogo ardente,
labaredas chamejantes- fios reluzentes
colorindo as saias rodadas no requebro
da quase noite.

A outra tarde nasce de sentimentos,
isto porque nem só de nuvens se tece
um entardecer. Quantas tardes nasceram
sem que eu percebesse… Muitos passos
acesos indo ao encontro da noite… e sonham
constelações de sonhos! E eu soterrada na
eterna escuridão , nada vi.

Lá fora, como dentro de mim
a tarde se divide em ramos de esperanças.
Tarde que entra pela fresta da janela ferida e
réstias de luz vão invadindo o quarto.

A noite logo chegará… Eu já sou noite faz tanto tempo!

Alda Alves Barbosa

O espelho

tom-hussey-reflexion-2
Descobri que o espelho é o objeto que preciso retirar do meu convívio. Não sinto nenhum prazer em ver minha imagem refletida nele. Estou envelhecendo! A flacidez, as rugas, os cabelos esbranquiçados me incomodam, entristecem-me.

Se insisto em me olhar é outra que vejo. Outra… Quem? Eu? Sim. Eu jovem, eu dançante, eu, esperançosa, eu, derramando sonhos! Domestiquei meu espelho. Não percebi que estava sempre viajando com o tempo. Nunca desarrumei as malas, não precisava, a viagem era contínua, sem pausas, sem estações.

E hoje, olhei fugitivamente para ele – o espelho – e tentei alcançar os segundos. Uma pergunta instalou-se em meu cérebro entorpecido: quem era aquela pessoa que me olhava? Me perturba mais descobrir que sou eu, ainda que diferente de tudo que fui ou pensei ser. Ali estava eu com outra face, com outro olhar. Percebi que vi em mim o que eu sempre fui. Que eu sou a minha própria bagagem. Aonde eu vou eu me levo. O excesso de peso é a minha nudez diante do que sou.

A flacidez, as rugas, as rusgas foram desenhadas pelo tempo e coloridas com seus pincéis descoloridos, flácidos! O que me espanta é essa geografia no corpo, no rosto. No espelho da viagem no tempo eu retorno para dentro de mim… Não há como me transformar em outra pessoa.

Dentro de mim a viagem continua… Sem pausa, sem estações! O tempo…

Alda Alves Barbosa

Procuras

998595_362482097214555_419090227_n

Como todos os dias esperei ansiosa a noite chegar. Iria abraçar minha poesia, conversar com minhas criaturas, inventar mundos… Eu iria viver. 

A noite chegou e encontrou minha alma na escuridão de um tempo não vivido. Decidi morrer no hoje para procurar os ontens num tempo onde eu me debruçava nas ruínas e dormia o sono dos sepultos. Este tempo sepulcral eu o quero de volta para entender os porquês das minhas ausências… Tempo que desisti dos meus sonhos, desisti de ser… não fui o que deveria ter sido.

E se eu tivesse seguido em frente em vez de virar à esquerda? Perdi-me nas bifurcações. Escolhas erradas ou não me preocupei em escolher? Ignorei as badaladas da cruz se cruzando; ignorei a mudez do tempo passando; ignorei os alinhavos do passado. Tornei-me escrava da dor, mendiga da compreensão do outro. Fiquei com a alma vazia… me perdi pelos caminhos das interrogações.

Hoje eu procuro este tempo… Pra quê? Porque este tempo me pertence, pedaços meus estão ali. Neste tempo minha alma chorou as perdas e eu me perdi de mim… Encontrei-me entre as ruínas sobre o olhar  que chorava.

Nas alternâncias entre o viver e morrer, depois de todo cansaço, procuro estes instantes transformados em décadas  com os olhos de inverno… Talvez estejam no quarto escuro do medo!

Alda Alves Barbosa

De como filosofar é aprender a morrer

paralelepípedos

” … ninguém morre antes da hora. O tempo que perdeis não vos pertence mais do o que precedeu vosso nascimento, e não vos interessa:  ‘ Considerai em verdade que os séculos inumeráveis, já passados, são para vós como se não tivessem sido ‘*. Qualquer que seja a duração de vossa vida, ela é completa. Sua utilidade não reside na duração e sim no emprego que lhe dais. Há quem viveu muito e não viveu. Meditais sobre isso enquanto podeis fazer, pois depende de vós, e não do número de anos, terdes vivido bastante. Imagináveis então nunca chegardes ao ponto para o qual vos dirigíeis? Haverá caminho que não tenha fim? ” ( Montaigne )

Ensaios de Montaigne, capítulo 20, intitulado ” De como filosofar é aprender a morrer”.

*Lucrécio